terça-feira, 3 de abril de 2012

SUS oferece novos exames para garantir gravidez saudável

 Entre os novos procedimentos acrescidos à lista de assistência pré-natal, está o que detecta anemia falciforme, doença que afeta sobretudo a população negra. Controle de pressão arterial é outra medida essencial para evitar problemas sérios para mãe e bebê durante a gestação e o parto


Grávidas recebem informações sobre gestação e gravidez
A saúde da mulher durante a gravidez é auxiliada por uma série de cuidados recebidos durante a fase pré-natal. Além de boa alimentação e hábitos saudáveis, ter acompanhamento médico e realizar os exames indicados são medidas necessárias para diminuir riscos ligados à gestação, que podem levar, inclusive, à morte da mãe e do bebê. 

Atualmente, o Sistema Único de Saúde (SUS) dispõe de 24 exames pré-natais. Desses, 15 foram acrescidos à lista com a criação da Rede Cegonha, programa do Ministério da Saúde que qualifica a assistência à gestante no SUS. Em cerimônia de lançamento do programa em Belo Horizonte, na última quarta-feira, o ministro da Saúde, Alexandre Padilha, disse que a Rede Cegonha contará com R$ 9,3 bilhões do orçamento do ministério para investimentos até 2014.

Entre as novidades, está um exame importante: a eletroforese de hemoglobina, que detecta a anemia falciforme, doença grave comum na população negra.

— Esperamos que esse exame ajude a reduzir os problemas relacionados à doença 
— explicou a coordenadora nacional de Saúde da Mulher do Ministério da Saúde, Maria Esther Vilela.

A anemia falciforme é uma doença do sangue, hereditária e crônica, que, sem tratamento, pode levar à morte. Os sintomas incluem dores no corpo e úlceras na perna. Segundo o ministério, 3 mil bebês nascem com a doença todos os anos no país. Das crianças doentes que não são tratadas desde o nascimento, 80% morrem antes dos 5 anos. O mal também pode ser descoberto pelo teste do pezinho, exame laboratorial simples que detecta precocemente doenças metabólicas, genéticas ou infecciosas que podem causar lesões irreversíveis ao bebê.

Para ter acesso aos recursos do ministério para a realização dos novos exames pré-natais, inclusive o de anemia falciforme, estados e municípios podem fazer a adesão rápida ao Rede Cegonha. Até o momento, 23 estados e 1.685 municípios já aderiram.

Em outubro passado, a Comissão de Direitos Humanos (CDH) realizou audiência pública com secretários de Saúde para discutir a necessidade da identificação precoce da anemia falciforme. A audiência foi realizada pelo presidente da comissão, senador Paulo Paim (PT-RS), com o objetivo de chamar a atenção para um grave problema de saúde pública que é, segundo ele, subestimado.

Mais exames
Durante a gravidez, a mulher também deve acompanhar a pressão arterial. Complicações decorrentes de hipertensão em gestantes são a maior causa de problemas na gravidez e no parto. Segundo dados do ministério, ocorrem em cerca de 10% das gestações. 

A hipertensão gestacional também é a principal causa de mortalidade materna no Brasil. As outras são hemorragia, infecção pós-parto, doenças circulatórias e aborto (veja matéria na página ao lado).

A presença de doenças sexualmente transmissíveis também precisa ser investigada. A mulher e seu parceiro devem fazer os exames. Em caso de HIV, por exemplo, o uso de remédios reduz para 1% as chances de o bebê ser infectado. Sem a medicação, o risco sobe para 25%.
Assessoria do Senado Federal
Postar um comentário