quinta-feira, 5 de maio de 2011

Partidos têm receita recorde, mas fecham ano com dívidas

Partidos políticos estão no vermelho
A arrecadação recorde no ano passado não impediu que os principais partidos políticos do país terminassem 2010 com dívidas milionárias. PT e PSDB fecharam o ano com deficit de R$ 42,7 milhões e R$ 11,9 milhões, respectivamente. 

Os responsáveis pela contabilidade das duas legendas alegam que, além de terem gasto mais do que arrecadaram, ambos herdaram as dívidas das campanhas presidenciais e ainda registram despesa em aberto referente às eleições de 2006. 

A maior dívida do PSDB é de R$ 8 milhões, com empresas de comunicação das campanhas de 2006 e 2010. 

O PT também tem dívidas referentes a propaganda eleitoral de 2010, de R$ 6,5 milhões, e pelo menos R$ 3,5 milhões em material gráfico. 

De acordo com a prestação de contas entregue nesta semana ao TSE (Tribunal Superior Eleitoral), explodiu a arrecadação declarada dos principais partidos, especialmente com doações de empresas --maior fonte de renda das siglas. 

Juntos, PT, PSDB, DEM e PMDB receberam doações de R$ 402 milhões --crescimento de 2.200% em relação a 2009 (ano sem eleições), e 375% maior que 2006 (ano de eleições nacionais). 

Os repasses das empreiteiras, tradicionais colaboradoras, representam cerca de um terço do total. Além das doações, integram a receita o Fundo Partidário (parcela do Orçamento da União repartida entre os partidos) e as colaborações de filiados. 

Os números apresentados são um balanço consolidado da receita e da despesa de 2010, uma vez que os partidos já haviam prestado conta dos principais gastos feitos durante a campanha, entre junho e novembro. 

A arrecadação do PT e do PSDB saltou no ano passado. Empreiteiras e bancos optaram por financiar os partidos em vez de repassar recursos direto a candidatos e comitês. Os valores, contudo, não foram suficientes para cobrir todos os gastos. 

O financiamento feito diretamente para partidos ainda permite a chamada "doação oculta", quando o partido repassa para o candidato o valor recebido sem a identificação do doador. 

"Muitos preferem doar para os partidos para se livrar da pressão dos candidatos", diz o vice-presidente do PSDB, Eduardo Jorge, que busca doadores para saldar a dívida tucana --menor que a registrada em 2006 e 2007. 

O PT, por sua vez, está diante da maior dívida acumulada desde 2006, segundo dados do TSE. Por meio da assessoria, o secretário de Finanças do PT, João Vaccari Neto, afirma que o partido tem vida ativa antes e depois das eleições e garante que está pagando religiosamente todos os fornecedores. 

O PMDB não tem dívida acumulada, mas o saldo entre arrecadação e gasto em 2010 foi negativo em R$ 2,2 milhões. "Uma prestação complementa a outra", diz o senador Eunício Oliveira (CE), tesoureiro do PMDB. 

O DEM fechou o ano com saldo positivo, de R$ 500 mil. "Tivemos uma grande doação para a eleição", afirmou Saulo Queiroz, que, antes de migrar para o PSD de Gilberto Kassab, assinou a prestação do DEM. 
Fonte: Folha.com
Postar um comentário